× iCasei

Baixe o App do nosso casamento e busque: efraimeisabella

Baixar

Efraim e Isabella

SEJAM BEM-VINDOS AO NOSSO SITE
Efraim e Isabella

Sobre os noivos

Pela Vida

Narrado por mim, a Vida. É, eu sei, eu sei, parece bem estranho, mas não se espantem, sou eu mesma. Mais surpresa do que eu quando recebi esse convite, tenho certeza que não ficaram.

 

Vocês vivem se queixando que sou breve, que passo voando e coisa e tal, então vou ser bem rapidinha aqui.

 

Olha, há muitos anos venho entrelaçando o caminho desses dois com várias “coincidências”, se é que vocês me entendem. Lógico, não sou boba, né?! Comecei sendo bem discreta, quase que imperceptível, depois fui me mostrando mais, até me exibir feito pavão.

 

Meu primeiro movimento foi quando os pombinhos ainda estavam na pré-adolescência. Em algum dia de algum ano, eles se cruzaram na escola em que estudaram, mas eu fiz questão de garantir que nenhum dos dois guardasse registro desse episódio.

 

Passados alguns anos, enquanto Efraim foi morar fora de Brasília jogando ping pong – e ele que não leia isso, porque o certo é tênis de mesa. Sabe, uma vez ele me disse que não se incomodava, mas eu sei que lá no fundo todo mesatenista que se preze não curte muito essa equiparação –, Isabella namorou um menino que morava na mesma quadra, no bloco da frente ao que Efraim morou. Aí você deve estar pensando: olha aí mais um movimento da Vida. Não, não, ledo enganinho. Eu não tive nada a ver com essa “pataquáda”. Brincadeira, tive sim.

 

Enfim, o tempo passou e cada um foi seguindo sua vida, ou melhor, me seguindo. Não, espera, embolou aqui... bom, vocês entenderam. Cada um seguiu o seu caminho até que, em 2010, eu os coloquei na mesma sala da faculdade, para fazerem uma matéria juntos. Dessa vez eu fiz questão de garantir que o contato visual acontecesse e que um notasse o outro. Ai, ai, até que esse dia foi engraçadinho, só que os detalhes vou deixar para eles contarem em outra ocasião, mas isso se vocês estiverem vivos até lá para ouvirem. Calma, é brincadeira, estarei com vocês sim.

 

Depois, meu próximo passo nessa história foi tratar de aproxima-los ainda mais, colocando os dois para estagiar no mesmo escritório, dividindo a mesma sala, de segunda a sexta – e alguns sábados também, porque vida de estagiário de Direito não é moranguinho na boca. Isso foi em 2011. E, claro, me encarreguei de que o convívio diário fizesse florescer o diálogo, e também me encarreguei de que fizessem algumas amizades ali.

 

O tempo passou mais um bocadinho e, em 2012, eles já não dividiam mais o mesmo espaço de trabalho, mas isso não foi empecilho para conversarem sempre que se trombavam na faculdade ou em encontros e aniversários daqueles colegas de escritório.

 

Nesse mesmo ano rolou o primeiro beijo dos pombinhos. Mas, como se diz hoje em dia, eles “ficaram ficando” por pouco tempo e pararam; depois voltaram; depois pararam; depois voltaram, e desde fevereiro de 2014 decidiram “ficar ficando” de vez, com exceção de um breve período em 2015 em que pararam, mas depois voltaram de novo – olha o ping pong aí, com o perdão da brincadeira.

 

O fato que é que essa história ainda está sendo construída por mim e continuará sendo escrita lindamente, conforme os perfeitos propósitos dEle, o autor da vida. Mas, eu, intencionalmente, já dei pra vocês os spoilers de alguns dos meus próximos movimentos, não é?! Então estejam lá!

 

Tá vendo?! Nem demorei. Vejo vocês por aí! Fé na Vida. Ou melhor, fé em mim. Vocês entenderam...